Itaquerão : “Cobrem do Bispo…”

O Corinthians é vítima.
Desde o primeiro momento, segundo a delação de Marcelo Odebrecht, o Corinthians informou que “gastaria 400 milhões ” e nada mais.
O “restante” seria viabilizado pelos governos federal, estadual e municipal.
A picaretagem existiu, óbvio.
Até o dono da construtora achou demais triplicar o valor do estádio “para ser utilizado apenas uma vez”.
Mas, o Corinthians sempre insistiu que sua parte seria de 400 milhões.
Os outros atores foram saindo ou escapando do rolo.
Inclusive o padrinho Lula.
Personagens que poderiam fazer “mágicas” para o surgimento de dinheiro farto, tombaram pelo caminho.
Muitos estão presos, outros estão quase…
Executivos, políticos, conselheiros, assessores influentes e outros aspones precisam prestar contas dessa malandra engenharia financeira.
O Corinthians ficou com a conta.
Tem um enorme carnê para pagar.
Desde abril de 2016 tenta convencer o credor a reduzir as prestações e estender o prazo de pagamento.
Agora, tem um estrondoso novo fator para não voltar a pagar.
O dono da Odebrecht afirmou que o Corinthians sempre deixou claro que só poderia sustentar a parte de 400 milhões.
É obrigação da atual diretoria do Corinthians responsabilizar-se por este valor e pagar de acordo com as suas forças.
Mas, e o restante?
A diretoria do Corinthians deve mandar os credores colocarem na ” conta do bispo…”

NOTA OFICIAL DO CORINTHIANS
“O Sport Club Corinthians Paulista, tendo tomado conhecimento de trechos da delação do Sr. Marcelo Odebrecht que envolvem a Arena Corinthians, vem a público reforçar que quaisquer irregularidades ou desvios de conduta, constatados por autoridades ou não, serão devidamente apurados pelo Clube, que tomará todas as providências para resguardar seus direitos e buscar a punição dos responsáveis, bem como diligenciará para garantir que todos os prejuízos causados ao Clube e à Arena Corinthians sejam devidamente ressarcidos.

Nesse contexto, o Clube ratifica seus posicionamentos oficiais anteriores, no sentido de que as dificuldades para a liberação dos CIDs, que sofreram grande atraso, bem como a negativa da Prefeitura de São Paulo quanto ao pagamento das obras específicas para a Copa do Mundo na Arena Corinthians, muito nos prejudicaram.

Como também já esclarecido em outras oportunidades, essas situações fizeram com que o custo total da obra aumentasse, chegando a um valor final maior do que o esperado, o qual, com grande esforço, está sendo pago pelo Corinthians.”

Comentários

comments