Federer é o máximo

Sou Federista.

Sofri muito.

Final sensacional.

Nadal é um garoto fantástico, grande coração, família linda, nasceu numa pequena ilha, lutou e conquistou o mundo. Conheci Nadal no Brasil Open 2005, meses antes do seu primeiro grande título em Roland Garros. Acompanhei suas entrevistas coletivas durante alguns anos, eram divertidas, ele não entendia e não falava inglês, era uma dificuldade.

Com o tempo surgiram os aspones, como acontece com muitos atletas brasileiros.

Aí ficou mais fácil torcer pelo Federer.

Federer não é apenas um dos melhores tenistas da história mas um dos maiores seres humanos do planeta. Atleta perfeito. Postura, valores, atitudes… É um campeão também fora das quadras. Não tem “entourage”. Não anda cercado de aspones. Nunca vi seu assessor de imprensa. Enfrenta os jornalistas na boa, como uma pessoa normal. Uma vez em Roland Garros, havia apenas uma repórter querendo perguntar em inglês. Inglês é a primeira língua nas coletivas, mesmo na França. Após duas perguntas a Pitbull da ITF passou para o francês. Federer interrompeu: “- Não, tudo bem, ela pode continuar com mais perguntas em inglês.” Incrível. Ficou lá, numa boa, respondendo a repórter em inglês, depois francês, alemão….

Convivi com Federer durante o Gillette Federer Tour. Fui responsável pelas imagens e entrevistas nos bastidores do evento. Apesar de estarmos juntos todos os dias eu imaginava gravar no máximo duas entrevistas. Uma no início e outra no final. Respeito a privacidade. Não foi assim, a cada ação realizada ele estava lá disposto a gravar um depoimento sobre a ação. Fizemos uma ação na favela de Paraisópolis. Futebol com os meninos. O staff da P&G dificultava tudo. Já o empresário de Federer facilitava tudo. Quando o jogo terminou o staff, com a síndrome dos pequenos poderes, decidiu terminar o evento e voltar para o hotel. Federer pediu para ficar mais tempo com a garotada. Ficou meia hora, curtindo, sorrindo.

Aliás, Federer tem um projeto social maravilhoso na África. Para quem não sabe, sua mãe é sul-africana.

Hoje, pela primeira vez Federer bateu Nadal no Aberto da Austrália. Havia perdido três vezes, duas semis e a final de 2009. Não imaginava sua vitória em Melbourne. Ainda mais no quinto set. Torci muito. Sofri muito. Vibrei muito. Foi sensacional. O tira-teima foi decisivo no último game, por duas vezes. Federer tem agora 18 título de Grand Slam, recordista absoluto.

 

Comentários

comments

  • 2 Comentários

    Adicionar comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *