Tricolor matou o Peixe, Timão arrancou belo empate

São Paulo e Santos fizeram um belo clássico no Morumbi. Mesmo com dez jogadores, durante quarenta minutos, o tricolor foi melhor e mereceu a vitória. O Santos foi mal no primeiro tempo, melhorou no segundo muito pelo talento do Neymar, mas o time não fez uma boa partida.

Ganhou quem foi melhor e procurou mais a vitória.

O São Paulo abusou de perder gols no primeiro tempo. Dominou a primeira meia-hora, marcou bem, não deixou o Santos jogar e desperdiçou pelo menos quatro oportunidades na cara do gol: Casemiro, Jadson, Cícero e Lucas. Rafael salvou uma do Paulo Miranda. O Santos teve uma única chance, Borges mandou de voleio, Denis fez bela defesa.

O Tricolor não matou e quase dançou no segundo tempo.

Leão não tirou Rodrigo Caio. Não entendi. Aos 8′, o garoto foi expulso. O Santos aumentou a posse de bola, mas o São Paulo continuou mais perigoso. Luis Fabiano encobriu Rafael, Fucile antecipou ao Cortês e depois saiu o pênalti, indiscutível.

Aqui vale um esclarecimento. Vejo que muita gente discutindo se “houve ou não o toque”. Não faz a menor diferença. Houve o toque do Rafael no Luis Fabiano. Isso ficou claro, mas nem precisaria. A regra é clara: “dar ou tentar dar um pontapé…”, “passar ou tentar passar uma rasteira…” E não interessa a intenção de querer ou não fazer a falta.

Rafael foi imprudente, chegou atrasado, e atropelou o atacante. Falta.

Mesmo contra dez o Santos continuou com dificuldade na finalização. Denis fez uma linda defesa no chute do Neymar, mas o Peixe só conseguiu marcar em cima de falhas do São Paulo. Na primeira, falha de marcação no primeiro pau. Fabiano atrapalhou o Denis. No segundo, Casemiro tinha a bola dominada, deu bobeira.

Depois do empate, aos 31′ do segundo tempo, aí sim o Santos teve pela primeira vez o domínio da partida. O Peixe aumentou a pressão, mas levou o terceiro. Lucas deciciu. O gol foi irregular. Lance inesperado, rápido e difícil para o bandeira. O erro do auxiliar não apaga o mérito da vitória com dez em campo.

Lucas está vivendo sua melhor fase no Morumbi.

O Corinthians arrancou um bom empate em Ribeirão. Perdia de 3×1, aos 31 do segundo. Tite colocou Gilsinho e mudou o jogo. Resultado justo. Após o apito final, Geninho e os jogadores foram pra cima do árbitro. Engraçado, o time toma 2 gols em casa, um aos 43′, outro aos 47′ e a culpa é do árbitro?

É muito chororô.

A falha foi do time. O Comercial jogou bem, mas não teve competência para segurar a vitória. Esta é a realidade, mas o pessoal prefere procurar pêlo em ovo e culpar o árbitro.

O pênalti em Ribeirão existitu, assim como no Morumbi.

Mas, o chororô é livre. A maioria dos torcedores, técnicos e jogadores tem dificuldade em aceitar a derrota e reconhecer o mérito advesário. O São Paulo matou o Santos, merecia um resultado até mais amplo. O Comercial foi melhor mas o Corinthians lutou e mereceu.

Quem prefere desviar o foco apela para a desculpa da arbitragem.

Share This:

55 Comentários

Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado