“Eliminar o uso de maconha reduziria em 8% os casos de esquizofrenia”

Izilda Alves   04/01/2018   Comentários desativados em “Eliminar o uso de maconha reduziria em 8% os casos de esquizofrenia” | Shortlink:

“Eliminar o uso de maconha poderia reduzir  em 8% o número de  casos de esquizofrenia ” afirma o psiquiatra Sérgio de Paula Ramos, um dos mais experientes profissionais especializados no tratamento de dependência química no país. Cada vez mais,portanto, devemos  nos unir contra todas as ações que querem liberar o uso e o porte e até legalizar o uso da maconha no Brasil.

Esquizofrenia é  doença mental de  difícil tratamento . Não tem cura. Segundo a Associação Brasileira  de Psiquiatria “os primeiros sintomas são  esquisitices, alheamento social e familiar, isolamento, queda de rendimento escolar e laboral, ideias bizarras, comportamento estranho e injustificado, ideias de perseguição ou de grandeza, às vezes delírios religiosos, alterações do ciclo sono-vigília, mutismo e o ato de falar sozinho.  As alucinações, especialmente auditivas, são comuns e podem comentar sobre o comportamento ou os pensamentos do paciente. A  descoberta  da doença pode acontecer durante  crise com  violência, colocando em risco quem estiver próximo.”

No artigo intitulado “Maconha e desenvolvimento escolar”,  o psiquiatra Sérgio de Paula Ramos alerta:

-experimentar  maconha  é  grande  risco para se tornar dependente

48 estudos  sobre uso de  maconha por jovens, 16 deles apontaram para o fato de estar consistentemente associada com baixa performance acadêmica/escolar e com o uso de outras drogas

– quanto maior a frequência do uso de maconha e quanto mais cedo acontece esse uso, maiores as chances do uso de maconha estar associado a crimes e tentativas de suicídio


-pesquisas nos Estados Unidos, na Holanda e na Austrália revelam taxas 2 vezes mais altas de maconha em pessoas com esquizofrenia


-estudo sueco com jovens de 18 a 20 anos , no Exército, constatou que os que usaram maconha mais de 50 vezes possuíam 6,7 vezes mais chances de desenvolver esquizofrenia 27 anos mais tarde.”

Comentários

comments